Avô

Não falo com mortos e, portanto, não visito cemitérios. Prefiro viajar no tempo, sentado nas memórias ou imaginando o que diriam os meus (poucos, felizmente) mortos nesta ou naquela situação. Muitas vezes, imito-os, como se, por instantes, estivesse benignamente possuído pelos espíritos dos meus amados. Nada disso é suficiente, mas é a minha maneira de ter menos saudades, a minha maneira de chorar sem lágrimas e sem esgares de sofrimento.

Quando do funeral da minha avó, pude ver a campa do meu avô, o avô Estêvão, nascido há 107 anos no dia 12 de Maio. Nunca tinha lido aquilo que está escrito na sua lápide e nunca tão poucas palavras me pareceram tão justas. Hoje, lembrei-me da sorte que tive em conhecê-lo desde madrugada.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Autobiografias com as etiquetas . ligação permanente.

Uma resposta a Avô

  1. Hello to all, since I am truly eager of reading this webpage’s post to be updated regularly.
    It carries pleasant stuff. http://black-garlic.com/blog/how-to-ferment-garlic-at-home.html

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s