Acordo Ortográfico: Cavaco Silva tem uma espécie de opinião

Na Feira do Livro de Díli, Cavaco Silva, em resposta a uma pergunta sobre a sua relação com Acordo Ortográfico, terá respondido o seguinte:

“Todos os meus discursos saem com o acordo ortográfico mas eu, quando estou a escrever em casa, tenho alguma dificuldade e mantenho aquilo que aprendi na escola. Mas isso é algo privado em casa, coisa diferente é a divulgação oficial de todos os documentos da Presidência”, sublinhou, salientando que não só concorda com este Acordo como participou activamente na ratificação.

Pergunto-me, em primeiro lugar, o que será isso dos discursos que saem? É como se, em Belém, houvesse, ao lado dos pastéis, uma fábrica de discursos, aromatizados, não com canela, mas com a nova ortografia. Fico, de qualquer modo, ansioso, por ouvir como soam os discursos que, agora, saem com o acordo.

Cavaco, desvelando publicamente a intimidade, confessa, no entanto, sentir dificuldades em aplicar o Acordo, quando escreve na quietação do lar, preferindo manter o que aprendeu na escola, o que mostra – das duas uma – que o Presidente é preguiçoso ou tem dificuldades de compreensão.

Nesta mesma declaração, Cavaco revela, ainda, concordar com o Acordo que, pessoalmente, não aplica. Para além disso, relembra, ainda, a sua participação activa na sua ratificação. Nas declarações que se seguem, explica em que consistiu a sua participação activa:

“Quando fui ao Brasil em 2008, face à pressão que então se fazia sentir no Brasil, o Governo português disse-me que podia e devia anunciar a ratificação do acordo, o que fiz”, lembrou.

Não sei se é possível ser-se mais activo: no Brasil havia uma pressão que “se fazia sentir” e Cavaco, obedientemente, fez o que o José Sócrates lhe mandou. Por aqui, se percebe os segundos de reflexão que Cavaco dedicou às questões ortográficas e confirma-se que se vivia, então, uma lealdade institucional inabalável.

Exercendo, ainda e sempre, o seu direito à vacuidade, Cavaco afiança, numa ilusão épica, que Timor participará na “tarefa, difícil mas grandiosa, que é a afirmação internacional do espaço da língua portuguesa”, uma coisa entre o redundante e o perifrástico e, sobretudo, inútil, uma vez que seria muito mais importante que se perdesse tempo a pensar na afirmação nacional da língua portuguesa, ameaçada pela anarquia curricular e pelo disparate ortográfico.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Acordo ortográfico com as etiquetas , , , . ligação permanente.

6 respostas a Acordo Ortográfico: Cavaco Silva tem uma espécie de opinião

  1. Pingback: Santana Lopes ou ortografia sem dogmas – Aventar

  2. “Por aqui, se percebe os segundos de reflexão que Cavaco dedicou às questões ortográficas.” Interessante notar que até portugueses conservadores em aspectos linguísticos já usam o “se” indeterminador de sujeito com verbos transitivos diretos (sem a concordância (se percebem) que muitos diriam ser obrigatória, por negarem a existência do “se” indeterminador nesse tipo de construção).

  3. Pingback: Coimbra não é uma lição – Aventar

  4. Pingback: Acordar é estar a dormir | os dias do pisco

  5. Pingback: É possível acordar melhor? – Aventar

  6. Bravo! Quem me dera escrever assim. Quem nos dera um presidente que pensasse assim.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s