Se não for imediato, não é prazer?

De modo muitas vezes implícito, a noção de prazer é associada ao imediato, como se o prazer nunca pudesse resultar de um processo mais ou menos demorado. No entanto, o caminho para o prazer pode ser tão ínvio como os do Senhor.

Esta ideia é transferida frequentemente para o campo da pedagogia, o que leva a uma sobrevalorização do lúdico e/ou dos desejos imediatos do aluno e a uma desvalorização do trabalhoso ou da cultivo da atenção e da paciência.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Educação com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s