Ratton expiatório

Não consigo resistir à vaidade de saber que sou co-responsável pela descoberta de mais uma entidade simbólica no interior da selva conceptual em que procuramos sobreviver, de modo mais ou menos racional.

A acreditar no google, a expressão “ratton expiatório” só existe num texto da minha autoria. Tenho de confessar que esta descoberta só foi possível graças à perseverança de Pedro Passos Coelho, o pecador contumaz que confunde um bode expiatório com este novo espécime.

É verdade que há dois aspectos que aproximam o bode e o Ratton: lidam com os pecados alheios e são escolhidos pelos pecadores.

A partir daqui, as diferenças são enormes. Com o bode é tudo mais simples: enviam-no para o deserto e aí morre, sepultando os pecados da comunidade. Por ser animal irracional e, portanto, privado de arbítrio, livre ou outro, não protesta: carrega as culpas alheias e bodeja uns lamentos incompreensíveis.

Ratton é bicho doutro calibre douto, o que o leva a pensar pelas suas próprias cabeças. Neste momento, o seu papel é ingrato, uma vez que é a única entidade que defende a Constituição, ou seja, os cidadãos, isto é, os valores da civilização ocidental.

Passos Coelho ainda tem as chaves do Estado e tem aproveitado os últimos três anos para assaltar o país. É também por isso que podemos entrever, com a ajuda da fonética, um outro valor simbólico: é Ratton que castiga os ratoneiros.

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Política nacional, Sociedade com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s