Juiz em casta própria

O Conselho da Europa recomendou que os estados membros não alterem os regimes remuneratórios dos magistrados.

Não discuto a justeza das recomendações feitas pelo Conselho da Europa, apenas lamento que outras semelhantes não sejam feitas acerca de outras profissões que deveriam ser consideradas estruturantes para a vida de qualquer país.

Dentro desse espírito, apetece-me comentar, especialmente, este passo:

 

“Aconselha (…) deverem ser evitados os sistemas que pretendem fazer depender o essencial do vencimento dos juízes do respectivo desempenho, na medida em que podem afectar a independência dos magistrados judiciais.”

 Não é que esta recomendação vai de encontro à ideia de que há profissões a que não se pode aplicar uma ideologia empresarial, sob risco de perverter a natureza da profissão? Só na cabecinha limitada dos herdeiros acéfalos dos yuppies é que pode fazer sentido avaliar e/ou pagar a um médico ou a um professor, por exemplo, de acordo com os resultados (a “produtividade” em linguajar empresarialês).

A que se deverá, entretanto, tal lucidez relativamente aos magistrados? O Paulo Guinote coloca algumas hipóteses que não me parecem descabidas.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Educação com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

3 respostas a Juiz em casta própria

  1. Ricardo diz:

    Desculpa. Tens razão. Mas, como dizia o outro, a malta pobre mete-me confusão… Ingratos…

  2. Ricardo diz:

    Acho muito bem esta recomendação. Nós, professores, somos outros privilegiados. Para não colocar em causa o nosso desempenho, foram feitos cortes na exacta medida que não interferisse com esse mesmo desempenho. Se nos tirassem mais € 1.35 teríamos que passar a comer pão e cebolas. Já não teríamos dinheiro para o pão e para um “chisquito”. E depois como era? E o cheiro ao abrir a boca nas aulas? E os pobres alunos? O que diria O “piqueno” Albino Almeida do fedor a que tresandam as nossas escolas? Pois é amigos. Não sejam mal agradecidos e compreendam os senhores magistrados. Eles também nos compreendem… de certeza.

    • Lá estás tu com os teus exageros. Ainda querias cebolas? Come o teu pãozinho e está mas é calado. Assim, ao menos, não tens mau hálito. Cebola? Mania das grandezas é o que tu tens!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s