Aluno é a tua tia, pá!

A iniciativa aqui relatada merece ser notícia e é digna de todos os elogios: em Leça da Palmeira, imigrantes têm acesso à aprendizagem de elementos básicos da língua portuguesa. A escolha da expressão “Português de sobrevivência” é feliz. Eis senão quando, surge um parágrafo desgarrado:

 

À noite, na sala 4 do bloco A da secundária de Leça da Palmeira não há alunos nem professora.  Mas sim 16 “aprendentes” e uma “formadora”.

Notando, desgostoso, a adversativa após ponto final, pergunto-me qual será o problema de chamar aluno a quem aprende e professor a quem ensina. Será que a obsessão do politicamente correcto chegou ao ponto de considerar que são dois termos proscritos? Já imagino o director de uma escola a chamar gravemente um formador ao gabinete, iniciando a conversa da seguinte maneira:

– Ouvi dizer que o senhor anda para aí a dizer que é professor e que andou a chamar alunos aos aprendentes…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Educação com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s