A indisciplina na Escola, realidade e ilusão

 

O Diário de Notícias faz referência ao aumento de processos disciplinares instaurados a alunos durante o ano lectivo que ora finda. O Ministério da Educação, com o humor que o caracteriza, atribui esse crescimento a “uma maior atenção e rigor das escolas relativamente a este fenómenos”, afirmação difícil de perceber, mas que se pode traduzir por qualquer coisa como: antes de nós, aquela gentinha que trabalha nas escolas andava distraída; com a nossa liderança, passaram a distinguir, finalmente, um acto de indisciplina de um poste de iluminação.  Perceberam? Não é um problema de aumento de indisciplina, mas de reposição de dioptrias. Havia casos em que o aluno estava a partir uma cadeira e o professor pensava que o rapaz estava a mudar o mobiliário.

Albino Almeida, presidente da CONFAP, acorre, também, pressuroso, e atribui o mesmo facto ao número de alunos e diversidade de origens culturais, sempre baseado em estudos de tal modo abundantes que indicar um único título seria ocioso. O douto senhor acrescenta, ainda, que, “num universo de cerca de 1,6 milhões de alunos, o número de processos é o “esperado”.” Esperado, de acordo com estudos, depreende-se. Talvez seja, até, inaceitável que o número de processos disciplinares desça, não vá a Europa franzir o sobrolho.

No mesmo dia, o editorial faz referência ao tema, mas tendo sempre o cuidado de chamar a atenção para o facto de se tratar de um fenómeno residual: “No ano passado foram abertos 17 629 processos disciplinares a alunos, ou seja, pouco mais de 1% da população escolar.” e “De acordo com o relatório da Escola Segura relativo a 2008/2009, 92% das escolas não reportaram qualquer incidente. Este indicador permite, assim, concluir que a indisciplina é um fenómeno localizado e circunscrito num número minoritário de escolas e não um problema global.” Ou seja, quase nem valia a pena estar a gastar papel com um fenómeno que, no fundo, quase não existe.

Num jornal que continua a fazer concorrência desleal ao Acção Socialista, este editorial está de acordo com o teor das declarações irresponsáveis dos responsáveis pelas políticas educativas, nos últimos anos, relativizando o fenómeno da indisciplina, como se, aliás, esta se circunscrevesse aos processos disciplinares. Também sobre o tema, mas com muito menos estudos que Albino Almeida, já escrevi aqui.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Educação com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s