Se a alarvidade pagasse imposto

     Vou citar de cor duas frases que ouvi da boca de Alberto João Jardim acerca da tragédia madeirense:

“Cuidado com as dramatizações, porque a economia
madeirense depende muito do exterior.”




“Só está tecnicamente morto quem entra na morgue.”

     Não garanto a exactidão formal, mas não tenho dúvidas quanto ao conteúdo. Estas duas alarvidades não destoam, vindas de quem vem. Também não destoa o silêncio e a cumplicidade dos principais partidos portugueses.
     Centenas de tragédias pessoais são consideradas empecilhos para o turismo e os mortos são números oficiais e não cadáveres de seres humanos arrastados pela incúria de quem andou durante anos a preparar o terreno para que esta mesma tragédia acontecesse e está agora preocupado com dramatizações. Alberto João Jardim não terá vergonha nem morto.
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s