Política à portuguesa ou "Você não vale nada, mas eu gosto de você"

     A minha rua é bastante domingueira, especialmente aos Domingos. Hoje, saio de casa, com um delicioso bocejo interior e vou tomar um café porque sim, porque não tenho pressa, porque há tempo para tudo, ainda para mais com mais um dia de descanso, cortesia da República.
     Saio e sou atacado pela República. Para cima, uma caravana eleitoral; para baixo, outra. Pelo meio, uma canção tipicamente portuguesa como são todas as canções brasileiras. A letra é extraordinária: “Você não vale nada, mas eu gosto de você.” num refrão que ocupa mais de metade da duração da música.
     Pergunto-me: o que quererá dizer o candidato, ao colar uma letra destas à sua campanha? Será dedicada ao eleitor? Imagino o candidato a enlaçar-me ternamente pela cintura, dizendo: “Tu não prestas, mas gosto de ti, rapaz. Que tal um voto?”.
     Outra hipótese será a de esta letra significar o que pensa o votante. Nesse caso, o cidadão não tem ilusões sobre a seriedade do político, mas não consegue deixar de gostar dele. No fundo, muitos acreditam que o amor é mesmo assim, tal como a política, a guerra ou o futebol: os nossos são maus, mas são os melhores, ou os menos maus, ou … nossos, prontos.
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s