Cavaco às tropas

     O Presidente da República dirigiu-se à nação, mas, como é seu costume, não dirigiu a nação. Quando se impunha uma resposta simples a uma simples questão, o Presidente da República resoveu explicar cogitações alheias, actividade mais própria de comentadores políticos ou de sibilas, seres que ficam bem em programas de televisão ou em Delfos.
     Cavaco pensa que explicou o que já deveria ter explicado e disse tanto que nada disse. Com o ruidoso silêncio dos últimos meses, participou activamente na campanha. Com o que (não) comunicou ao País, explicou a campanha aos pobres, depois de ela já ter acabado.
     Penso que a má qualidade dos políticos portugueses faz parte de um projecto de selecção natural tendente a melhorar os portugueses: na verdade, um povo que, melhor ou pior, consegue evoluir, apesar de ser tão mal governado, só pode ser um povo extraordinário. O reverso perverso desta medalha está no facto de que se torna demasiado fácil criticar os políticos, mas são eles que facilitam.
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s