tentar surpreender

            Na Futebolândia fala-se, obviamente, futebolês. Também obviamente, é aos meios de comunicação social que cabe educar o povo futebolense, nomeadamente (só de advérbios de modo já levo dois cestos) no que respeita à aprendizagem da língua materna. Não sei se o mesmo se passa noutros países, mas a verdade é que no nosso cantinho temos três diários desportivos, dois canais codificados e outros dois que também transmitem jogos de futebol. Nós, futebolenses, só nos podemos queixar de sobre-educação, pois não nos faltam oportunidades para ler e ouvir pérolas escritas e ditas em futebolês.

            É essa a razão que nos leva a calar os nossos oponentes de mesa de café, com frases como “em equipa que ganha não se mexe” ou “a culpa é dos centrais”, a ponto de a língua portuguesa poder já ser considerada um dialecto do futebolês.

            Apenas porque adquiri alguma consciência linguística, vivo extasiado pelos tesouros do futebolês que nos são prodigalizados pelos comentadores de televisão, espécie que teve origem em Gabriel Alves, o Camões da Futebolândia. É porque quero chamar-vos a atenção para esse mundo maravilhoso que virei a esta tribuna perlar-vos com esse fraseado inconfundível que ondula pelo éter futebolense.

            A primeira de muitas é esta: o jogador, decerto imbuído de uma intenção malévola, resolve pontapear a bola em direcção à baliza da equipa adversária. Em muitos destes casos, ainda antes de sabermos se foi golo (o comentador futebolense é uma máquina de antecipação), ouvimos: “Fulano tenta surpreender o guarda-redes!” Quanta presciência está contida neste diamante! Aquilo que para nós, gente ignara, parecia um remate, afinal é uma tentativa de surpreender e é aqui que não podemos gostar de quem, no fundo, desrespeita um colega de profissão a ponto de se aproveitar de um segundo de alheamento de alguém que só porque não tem jeito para jogar futebol foi para guarda-redes. Ficamos mais descansados e voltamos a acreditar que há justiça no mundo quando ouvimos a mesma voz assegurar: “Mas o guarda-redes não se deixa surpreender!”. Ao mesmo tempo, ficamos a saber que nem sempre o guarda-redes é um sujeito distraído, disposto a deixar-se surpreender por essa gente rematadora.

            Posteriormente, na flash-interview (que é uma entrevista que pode ofuscar as vistas de uma pessoa), o guarda-redes dirá, orgulhoso: “Ele queria surpreender-me, mas eu não deixei, nem admito faltas de respeito.” Por outro lado, e pensando melhor (coisa que faço raramente), será sempre possível dizer-se, quando se sofre um golo: “Ele não me surpreendeu. Eu é que me deixei surpreender.” E por aí fora.

 

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s